PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS: A ORIGEM DOS SINTOMAS PODE SER REFLUXO

Chiado no peito, tosse crônica e falta de ar são sintomas ligados às doenças respiratórias. Ao procurar um médico, a preocupação do paciente volta-se para bronquite ou pneumonia. O exame das vias aéreas é um indicador de lesões que causam esses sintomas. Entretanto, a causa da doença pode estar na via digestiva. “Toda vez que um paciente apresenta doença respiratória que não responde ao tratamento, ele deve ser avaliado quanto ao risco de ter problemas no trato digestivo, como o refluxo”, explica o Dr. Jefferson Fontinele, pneumologista do Hospital Santa Lúcia.

 

 

O refluxo gastroesofágico ocorre quando ácidos do estômago invadem as vias áreas e atingem a faringe, a laringe, a traqueia e até os brônquios. Apesar dos inúmeros casos e do conhecimento do efeito, nem sempre o diagnóstico é fácil. “Existem pacientes nos quais a doença se manifesta de forma silenciosa e que apresentam apenas tosse seca após as refeições, mas sem relação nenhuma com problemas pulmonares de fato”, reforça. 

 

 

Após descartados os sintomas de doença pulmonar e constatada a suspeita de problemas gástricos, uma endoscopia digestiva pode confirmar o refluxo. O exame utiliza uma câmera para investigar o trato digestivo e o diagnóstico pode ser feito a partir das imagens e da coleta de material para laboratório. Há ainda a possibilidade de se medir o pH do esôfago. Nesse caso, são instalados sensores no paciente, que é monitorado durante 24 horas.

 

 

Pesquisas indicam que, atrás de doenças nasais e bronquites, o refluxo gastroesofágico é a terceira causa mais importante de tosse crônica. De acordo com o pneumologista, o tratamento deve começar imediatamente, a fim de diminuir a acidez e acelerar o esvaziamento gástrico, de forma que os alimentos fiquem menos tempo no estômago.

 

 

Os remédios podem nem ser necessários, mas é preciso mudar alguns hábitos alimentares. Não há dieta padrão, mas, segundo o especialista, deve-se evitar alimentos gordurosos, cafeína e bebidas gaseificadas. O excesso de líquidos e alimentos durante as refeições também pode acarretar problemas. A depender da gravidade do caso, recomenda-se ainda evitar deitar depois das refeições e até levantar a cabeceira da cama para facilitar a digestão.

09/11/2014
   |   Fonte: Ascom - Grupo Santa

Instalações

Conheça as instalações disponibilizadas pelo Hospital.

box