Quais as complicações do refluxo gástrico não tratado?

A esofagite de refluxo, ou refluxo gástrico, é causada pelo retorno em grau acentuado e patológico do suco gástrico (ácido) do estômago para o esôfago (tubo que liga a boca ao estômago). É mais frequente em pacientes que apresentam hérnia de hiato, isto é, quando uma parte do estômago sobe para o tórax, mas também pode ocorrer em quem não tem essa disfunção. Entre os sintomas estão tosse, o próprio refluxo e, principalmente, a azia. Se a doença não for tratada, pode haver complicações como: esofagite (inflamação do esôfago), úlcera do esôfago e até sangramento; alteração das células da porção final do esôfago, o que causa a doença chamada esôfago de Barrett, que pode evoluir para um câncer de esôfago se não tratado; inflamação das cordas vocais, engasgos frequentes e noturnos; estreitamento (estenose) do esôfago, devido à inflamação crônica e prolongada; e dificuldades para engolir.

 

O tratamento, em princípio, é clínico. No entanto, de acordo com o caso, pode haver necessidade de uma videocirurgia, na qual o estômago é reposicionado em relação ao esôfago para eliminar o refluxo e suas consequências. O Hospital Santa Lúcia conta com uma equipe experiente e capacitada de especialistas para o tratamento clínico e cirúrgico da doença.

 

Dr. Alcides Dourado – CRM/DF 1035
Cirurgia Geral e Videolaparoscópica

 

Todos os domingos na Revista do Correio Braziliense temos um espaço para você, leitor, tirar dúvidas sobre alguma especialidade médica. Envie sua pergunta para comunicacao@santalucia.com.br e participe de nossa coluna.

16/09/2012
   |   Fonte: Informe Publicitário - Correio Braziliense

Instalações

Conheça as instalações disponibilizadas pelo Hospital.

box