Reversão da vasectomia resgata a normalização da fertilidade masculina

A cirurgia, considerada pouco invasiva, é realizada com sucesso no Santa Lúcia

 

 

A procura pela reversão da vasectomia, também conhecida com vasovasostomia — procedimento na qual as duas partes do ducto deferente (canal que transporta os espermatozoides) separadas na primeira cirurgia são unidas novamente — vem aumentando no Brasil. Uma das hipóteses para explicar este fato é o crescimento de divórcios e, consequentemente, a formalização de novos relacionamentos. Depois de feito o procedimento, cerca de 70% dos homens apresenta normalização da fertilidade.  Segundo Dr. Eduardo Pimentel, urologista do Hospital Santa Lúcia, por se tratar de reconstituição anatômica em pequenas e delicadas estruturas, os melhores resultados são obtidos com o emprego da técnica de microcirurgia com profissional altamente capacitado e instrumental microcirúrgico especial.

 

 

A vasovasostomia pode ser realizada em pacientes que desejem recuperar sua fertilidade. Contudo, para alguns especialistas, nem todos os casos são adequados à realização do procedimento, devendo ser observados alguns fatores, como o tempo estabelecido entre a cirurgia de vasectomia e a reversão. A explicação, segundo Pimentel, é um processo de fibrose que pode ocorrer no local, ocasionado pelo tempo, criando obstruções para o resgate do canal deferente, situação que inviabiliza o processo de reversão.

 

 

Entretanto, mais importante nas chances de obtenção da gravidez, é a idade e o potencial fértil da companheira. Em mulheres de até 30 anos de idade, a reversão produz cerca de 64% de gravidez; de 30 a 35 anos, 49%; a partir de 36 anos, a taxa cai para 30 a 40%. Assim, é de fundamental importância também a avaliação da reserva ovariana (indicadores hormonais e ultrassonografia transvaginal) e do potencial e funcionamento tubário antes da decisão de reverter ou não a vasectomia. “Esta é uma decisão que deve ser tomada em conjunto: paciente, parceira, ginecologista e urologista”, indica o médico. 

 

 

Como é feito o procedimento:

Para entender como funciona a vasovasostomia é necessária compreensão da vasectomia.

 

 

Vasectomia:

O tratamento é realizado em homens que não pretendem mais ter filhos. A cirurgia consiste em um corte na bolsa testicular, que interrompe a passagem de espermatozoides pelos dois ductos deferentes. O sêmen continua sendo expelido na relação, mas sem gametas. Na reconstrução é preciso reconectar as duas partes dos canais deferentes anteriormente separadas.

 

 

Vasovasostomia:

A microcirurgia é realizada através de uma pequena incisão de 3–5 cm na bolsa testicular com o uso de anestesia geral. As pontas dos canais deferentes são localizadas e preparadas para o procedimento, que consiste na sutura das duas partes, feita com fios finos e usando um microscópio cirúrgico, que aumenta a visão do médico em até 40 vezes. Após 45 dias é feito um espermograma para avaliar a quantidade de espermatozoides no sêmen.  O procedimento pode durar entre duas a quatro horas e é considerada pouco invasiva. 

09/02/2014
   |   Fonte: Equipe do Site

Instalações

Conheça as instalações disponibilizadas pelo Hospital.

box