Santa Lúcia Entrevista

Com a redução para 16 anos da idade mínima permitida para a cirurgia bariátrica, determinada pelo Ministério da Saúde, o procedimento tornou-se uma das opções para o tratamento da obesidade nos adolescentes. Mas a cirurgia só é recomendada em último caso. São três as técnicas possíveis de cirurgia bariátrica. Saiba quais são elas e quando devem ser feitas, na entrevista com o cirurgião do aparelho digestivo, Manoel Luiz Neto.

 

 

Quando é necessária a cirurgia bariátrica em adolescentes?

A cirurgia bariátrica deve ser indicada naqueles pacientes que já tiveram esgotadas todas as tentativas de tratamento clínico e medicamentoso para emagrecer. Antes, ele tem que ter passado por um nutricionista, por um endocrinologista, por um professor de educação física que o ajude a perder peso, para somente depois se indicar à cirurgia bariátrica.

 

 

Existe uma faixa de peso para a cirurgia bariátrica em adolescentes?

A mesma do adulto, ou seja, pacientes com obesidade grau 2, com doenças associadas, como hipertensão e diabetes, artropatia de joelho e apneia do sono, ou pacientes com grau de obesidade três, com ou sem doenças associadas. O Índice de Massa Corporal, que é o peso dividido pela altura ao quadrado (IMS), levado em consideração para a obesidade grau 2 é igual ou maior a 35; para grau, o IMC é igual ou maior que 40.

 

 

Qual o risco da cirurgia bariátrica no adolescente?

Os riscos se assemelham aos da cirurgia no adulto. Dependendo da técnica, o paciente pode desenvolver carências de vitaminas, proteínas e cálcio.

 

 

Os riscos são menores do que a obesidade?

Sim. A obesidade causa sérios problemas ao longo da vida devido às doenças associadas a ela, como diabetes, hipertensão e até câncer. O risco de mortalidade em longo prazo por causa da obesidade é muito maior.

 

 

Quais técnicas podem ser adotadas na cirurgia bariátrica em adolescentes?

Existem três técnicas, e elas são discutidas com o paciente de acordo com as expectativas dele em relação à cirurgia. A primeira é chamada de banda gástrica. Nela, um anel é colocado ao redor do estômago e esse anel é ajustável. Ele aperta o estômago do paciente e reduz a quantidade de alimento que ele consegue comer. O estômago é apenas dividido em duas partes pelo anel, como se fosse uma ampulheta. Há a técnica de demanda gástrica, ou de sleeve gástrico, que é um procedimento no qual o estômago é cortado e grampeado e é retirada uma parte que produz um dos hormônios responsável pelo apetite. O estômago fica em formato de tubo e não há alteração no intestino do paciente, e dessa forma a absorção da maioria dos nutrientes não é afetada. Por fim, existe a técnica chamada policapela, que consiste na redução do tamanho do estômago para cerca de 80ml e um desvio do trânsito do intestino. Por ser mais drástica, deve-se conversar antes com o paciente sobre ela, porque há também o risco de algumas complicações, como a deficiência de vitaminas.

 

 

Como deve ser o acompanhamento psicológico para o adolescente que passa por uma cirurgia bariátrica?

Precisa ser contínuo, não pode ser fragmentado e deve haver interação com toda a equipe multidisciplinar que decidiu pela cirurgia. O paciente precisa alterar os hábitos que o cercam e a família tem que estar engajada nesse novo estilo de vida, encorajar o paciente a essa mudança e ela também mudar o modo de viver.

 

 

Ela vai poder comer pizza e sanduíche numa lanchonete?

Esses alimentos, que são muito calóricos, deveriam ser exceção na dieta, as pessoas deveriam consumi-los apenas ocasionalmente. Infelizmente, hoje se tornaram regra na alimentação. Esses alimentos devem ser evitados tanto no pré quanto no pós-operatório, pois podem levar ao fracasso da cirurgia.

 

 

Como funciona a equipe multidisciplinar na cirurgia bariátrica do adolescente?

O paciente terá consultas com nutricionista, que elaborará a dieta no pós-operatório, dieta que evoluirá de forma gradual: primeiro de forma líquida, depois pastosa, até chegar ao estado sólido, e sempre com baixas calorias. O nutricionista passará ao cirurgião e também ao psicólogo da equipe toda a avaliação nutricional feita no paciente, anotando distúrbios nutricionais e alterações alimentares.

 

 

O que o Hospital oferece ao adolescente que vai se submeter à cirurgia bariátrica?

Temos tudo que é exigido e necessário para a realização da cirurgia bariátrica, ou seja, Unidade de Terapia Intensiva; sala inteligente, para que o paciente veja imagens em alta definição da cirurgia; uma equipe de anestesistas preparados não apenas para esse tipo de cirurgia, mas também para esse procedimento em adolescentes; e um ambulatório para acompanhar esse paciente ao longo da vida. O Santa Lúcia também conta com a equipe multidisciplinar formada por psicólogos, nutricionistas, endocrinologistas, pneumologistas e fisioterapeutas para auxiliarem nesse acompanhamento.  

01/04/2013
   |   Fonte: revista Sua Saúde

Instalações

Conheça as instalações disponibilizadas pelo Hospital.

box