Sedentarismo aumenta risco de doenças cardiovasculares e reumáticas

Estudo inglês aponta que falta de atividades físicas mata duas vezes mais que obesidade

 

 

O sedentarismo e a obesidade têm grande influência no desenvolvimento de doenças, inclusive as reumáticas e cardiovasculares, mas um estudo realizado pela Universidade de Cambridge e publicado no American Journal of Clinical Nutrition identificou que a falta de atividades físicas pode matar duas vezes mais que o excesso de peso. De acordo com a pesquisa, 337 mil entre 9,2 milhões de mortes na Europa foram atribuídas à obesidade e o dobro desse número, 676 mil, ao sedentarismo. Os resultados foram possíveis após o acompanhamento de 334.161 europeus durante 12 anos. “Pode-se relacionar diretamente o sedentarismo a prejuízos à saúde do osso. Já a obesidade aumenta a carga nas articulações em membros inferiores e potencializa os efeitos destrutivos das inflamações articulares”, explica a reumatologista do Hospital Santa Lúcia, Sandra Andrade. A falta de atividade física é também fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, independente da obesidade. “O paciente que tem diabetes e hipertensão arterial, por exemplo, mas pratica exercícios, terá a mesma probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares que alguém que não apresenta essas comorbidades, mas não se exercita regularmente”, pondera o cardiologista Eduardo Nogueira, também integrante da equipe do Hospital Santa Lúcia. Associada ao controle do peso e a uma alimentação balanceada, a prática regular de atividades físicas diminui sensivelmente a probabilidade de adoecimento. Segundo a pesquisa inglesa, caminhar diariamente durante pelo menos 20 minutos, por exemplo, pode reduzir o risco de morte prematura em até 30%. 

07/03/2015
   |   Fonte: Ascom - Grupo Santa

Instalações

Conheça as instalações disponibilizadas pelo Hospital.

box